Pesquisa
De volta ao blog

O poder da representatividade nas roupas infantis

                                                                          

Autora: Tatiane Santos - Educadora, Consultora Antirracista e autora do livro Super Black| @pretinha educadora

As crianças devem poder se espelhar e se sentir parte de um todo, independentemente de suas diferenças (sejam elas quais forem). E, nesse sentido, as propagandas, os brinquedos, a moda e até as histórias contadas devem abordar tal multiplicidade a fim de valorizar a autoestima (lembrando que essas mudanças auxiliam na construção da cidadania). Assim, a sensibilidade de questões inclusivas ajudará a estabelecer uma melhor formação da responsabilidade social e política.

Quando eu era pequena, não tive bonecas iguais a mim, não via ninguém na televisão igual a mim, e por muito tempo achei que não deveria ocupar alguns espaços, pois não fazia parte deles. Onde olhava as propagandas, diziam que ser preto era ruim, na escola aprendi que no passado fomos escravos e só.

Hoje sendo educadora, e também ao me tornar mãe e ter a consciência de quem sou, sei que posso e devo ocupar espaços antes negados a minha cor, e que o padrão da sociedade deve ser o mais diverso. Desta forma, busco para os meus filhos essa representatividade que não tive. Quando procuro roupas para eles, por exemplo, observo se a loja ou marca tem modelos negros ou roupas que destaquem todas as etnias.


Quando meu filho mais velho era pequeno fui comprar uma toalha em uma loja, só tinha toalha de príncipe, a mesma imagem em todas: um menino branco. Aquela imagem não representava o meu filho e sim o que a sociedade nos mostra. Mas, afinal, um príncipe pode ser de qualquer cor, não é mesmo?

E encontrei essa representatividade na tuga. Me senti muito acolhida ao ver o feed do Instagram. Por lá, encontrei além de crianças diversas, famílias diversas e roupas lindas que atendiam a todos os gostos, e a ideia de sustentabilidade em alugar as roupas, que são entregues com muito carinho, cuidado e atenção. A tuga faz parte da minha vida, desde então. Eu indico a todos os meus amigos e seguidores.

Gostou da sugestão da Tati? Aproveite e conheça as roupinhas da marca Obadelê, que fazem parte do nosso acervo.

A Obadelê é uma marca linda que traz toda a ancestralidade africana para as roupas dos bebês. Suas pecinhas são feitas com tecidos vindos da África e são todas criadas pela Luciana, uma amiga querida e que faz parte da história da tuga. A Lu e a Grazi, criadora da tuga, são amigas e se conheceram no Shell Iniciativa Jovem, um programa que fomenta empresas enjagadas socialmente e ambientalmente.

                         

 

 



Comentários
Deixe seu comentário Close Comment Form
Fechar